Votos de um excelente 2018

 Estamos ou não estamos no Ano Novo?

As boas resoluções começam com o início do novo ano. Mas queremos ou não queremos mudar para este novo ano? Nós somos paradoxais porque podemos e não podemos, ao mesmo tempo. Nós sempre nos sentimos divididos entre um lado que quer e um outro que prefere adiar… O último, sabemos bem, é aquele que espera mudar enquanto permanece nos velhos hábitos!

Estas situações de tensão entre uma parte e a outra de nós mesmos levam a uma imobilidade interior e continuamos com o mesmo “status quo”. A insatisfação de não podermos desenvolver algo deprime-nos ou faz-nos envolver em mil coisas ao mesmo tempo. Enchemos o dia com tantos compromissos para esquecer que não fizemos as coisas essenciais!

Nestes dias do Ano Novo, pensamos que é importante aproveitar o tempo para nos aproximarmos do centro de nós mesmos para ouvir.

Mas como chegar ao centro? E o que devemos ouvir?

Estamos no centro de nós mesmos quando percebemos aquilo que nos cria confusão ou sofrimento, quando somos testemunhas de nós mesmo. Estar no centro do nosso peito significa sentir ali o Divino com o qual queremos estreitar laços. Desta forma podemos escutar e tornar a comunicar com a parte mais elevada de nós e, observar lentamente o jogo dos nossos pensamentos porque já não nos identificamos com eles. Podemos, então, tomar as decisões correctas. Isto parece-nos o melhor desejo que podemos ter para este novo ano de 2018.

Angie e Bernard

 

Jesus nasceu em 25 de Dezembro?

A 25 de Dezembro celebramos o nascimento de Jesus. Mas uma leitura aprofundada do Evangelho coloca essa tese em discussão. Lucas, por exemplo, escreve que no nascimento de Jesus os pastores estavam  a vigiar os rebanhos à noite. Em Dezembro, na Judéia, as noites são chuvosas e frias por isso é difícil imaginar os pastores a vigiar os seus rebanhos à noite.

Então o que estamos comemorando a 25 de Dezembro? Desde os tempos antigos que muitas festas são comemoradas no dia 25 de Dezembro: a do nascimento de Mithra, a divindade vitoriosa das forças da escuridão para se chamar sol invictus (sol conquistado), o encontro entre os deuses e os homens do partido celta de Yule, o nascimento de Horus de um pai que morreu e foi ressuscitado pela magia de sua mãe Isis…

Todas essas celebrações efectuadas no dia 25 de Dezembro representam um encontro especial no qual o poder do sol consegue superar a sombra, a morte. Hoje, tal com antigamente, a noite oferece-nos a oportunidade de soltar as nossas barreiras, os escudos que envolvem a nossa alma e que impedem o contato com Deus.

Porque não ceder aos milagres? Deixemos a nossa alma ser tocada e que a porta do nosso coração se abra para atrair a luz. Lembremo-nos com uma verdadeira convicção interior de que o Divino tudo pode fazer: criar, dissolver e transformar. Se, ao menos, nós realmente deixássemos a porta aberta seria liberta a Alegria do coração, aquela Alegria que deveria preencher estes dias festivos.

Feliz Natal a todos